Tibério no Spotify

Padrão

Engraçado ouvir Tibério Azul no Spotify.

Esse disco Bandarra é mesmo uma obra-prima, eu arrisco dizer.

E é, além de uma obra-prima, um convite à vida off-line.

Se a vida é veloz, Tibério nos lembra: todos vamos pro mesmo lugar, pra que apressar?

Curioso que ouvir Tibério Azul no Spotify é ouvir na rua. O mundo tem pressa. Quase me atropelam. Não sei se foi coincidência, mas foi justo quando com sua voz cativante e poderosa, o recifense cantava da Caloi colorida que comprou com a grana do seu violão – porque o sensível lhe doía. Se quase me atropelam na faixa de pedestres, imagina de bicicleta!

Leio a banca, sinto a rua, mas não pedalo o mundo não. Me lembro de um ciclista na Corifeu, uns três anos antes da quixotesca batalha pelas ciclofaixas de Haddad, que usava um colete florescente escrito: motorista, por favor não me mate. Algo assim.

O clima do disco é mesmo meio Alberto Caeiro meio Manoel de Barros, como vi Tibério uma vez dizer. Essa conexão Lisboa-Arcádia-Cuiabá-Recife quer me dar calma, mas não tenho uma vitrola. Não tenho nem um toca disco. Tenho um fone bom. E ouço Tibério no Spotfy – o que significa dizer que uma nota inoportuna vem vez ou outra interrompe o clima tão ameno que o disco quer me dar, avisando que tem mensagem de alguém. Tenho que ler, tenho obrigações sociais e profissionais que me impedem de colocar tudo, menos Bandarra, no silencioso.

Irrompe Lá em Casa, minha “faixa” preferida. Foi por ela que cheguei ao disco do Tibério, que conhecia de Youtube pelo Seu Chico. Encontrei naquele programa da Cultura de música independente que vi compartilhado no Face da Roberta Martinelli. O grupo de NBA que tenho no Whatsapp pode esperar. Contanto que não seja notícia de lesão de algum jogador do meu time. Nessa reta final de temporada, alguém machucar pode estragar tudo.

Meu cérebro se perde, online, por um ou dois minutos, checando notícias da greve e só volta a focar quando o clima do disco tomba meu coração e sequestra minha atenção com Quando Maria me fundou o Carnaval. Tive que sentar no banco da praça pra terminar de ouvir a música. Estava velho e esquecido do assunto mas ainda tive alguma força pra cair na multidão Quando Maria me fundou o carnaval.


A TIM não deixa a sanfona soar a última nota. Com uma mensagem automática, me convida para o sorteio de prêmios, substituindo aquele agradável acorde com duas notas sobrepostas, como os dentes do Wander Wildner.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s